domingo, 11 de agosto de 2019

https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/15882/a-anatomia-do-crime-brasileiro-em-apenas-uma-cena

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

VARA JUDICIAL



Palavra que hoje exprime a própria circunscrição ou área judicial onde o juiz de primeira instância exerce sua autoridade.Vara vem da antiga Roma. Primeiramente, designava a haste conduzida pelos juízes como sinal de poder,para que fossem reconhecidos.

Em Roma, essas varas também serviam para distinguir juízes letrados como de leigos. As pintadas de branco competiam aos letrados , enquanto os não letrados carregavam uma vara vermelha. 

Conforme o direito antigo,os magistrados não podiam sair na rua sem a insígnia,sob pena de serem multados. Tal costume passou para Portugal, e depois para o Brasil Colonia, onde os juízes carregavam um  bastão que tornava reconhecida sua jurisdição.Quando alguém se recusava a atender uma convocação judicial,era levado pelo oficial de justiça,que o ameaçava em público com um bastão. 

Daí a expressão ' conduzido debaixo de vara', utilizada até hoje no Direito para designar que alguém foi levado sob mandado judicial.  A palavra é usada também na locução 'corrido à vara', que significa ser perseguido pela Justiça.

( Revista Aventuras na História, out/2014 e Jornal A Voz, fev/2019 ]

domingo, 28 de julho de 2019

PERFIL - JOSÉ BONIFÁCIO


José Bonifácio , patriarca da independência e primeiro ecologista. Nascido em Santos, em 1763, José Bonifácio de Andrada e Silva, foi decisivo para que o Brasil se separasse de Portugal em 1822.

Mas ele só virou político com 56 anos. Bonifácio era mesmo cientista. Entre 1783 e 1819, viveu na Europa e o primeiro trabalho que apresentou como membro da Academia Real de Ciência de Lisboa, em 1789, foi o tratado " Memórias sobre a pesca das baleias e a extração de seu azeite: com algumas reflexões a respeito das nossas pescarias". 

No texto, ele se diz preocupado com a pesca indiscriminada das baleias. O problema era antigo: vinha desde o século 16. Não foi a primeira manifestação ambientalista do patriarca da independência. Seis anos antes, ele já tinha escrito em um artigo : " Nossas preciosas matas vão desaparecendo, vítimas do fogo e do machado destruidor, da ignorância e do egoísmo. Nossos montes e encostas vão se escavando diariamente, e com o andar do tempo faltarão as chuvas fecudantes.." dizia ainda que o Brasil, em menos de dois séculos, "ficará reduzido aos desertos áridos da Líbia".  ( Revista Aventuras na História, nº 46, 2007 e O Garimpo, novembro de 2007, nº 28)


 e 

sábado, 20 de julho de 2019

JESUS ERA PERIPATETICO



Numa empresa em que trabalhei, eu fazia parte de um grupo de treinadores. Éramos coordenados pelo chefe de treinamento, o professor Lima. E tínhamos um lema: para poder ensinar, antes é preciso aprender.

Um dia, nós nos reunimos para discutir a melhor forma de ministrar uma dinâmica, e um colega propôs usarmos como tema, um trecho do sermão da montanha. E o professor, que até ali estava meio calado, comentou que Jesus era peripatético

Seguiu-se uma constrangida troca de olhares, mas antes que alguém criasse coragem para retrucar a afronta, o celular do professor tocou. E lá se foi ele, deixando a sala a vontade para conspirar. 

Uma colega disse que o comentário tinha sido de extremo mal gosto. Outro foi mais longe, afirmando que era ofensivo. Alguém ponderou que talvez o professor não quisesse misturar religião com treinamento, levando outro alguém a insinuar que o professor era ateu.

E nós continuamos a malhar o professor, com gosto, até que ele retornasse à sala. E ao notar o clima de hostilidade, nos perguntasse o que estava acontecedo. Um colega corajoso falou em nome do grupo, e disse que aquela coisa de Jesus ser peripatético não tinha pegado bem.

"Por que não?", o professor respondeu. E explicou: Jesus se locomovia para fazer pregações, e portanto, a sugestão de usar o sermão da montanha tinha sido muito feliz. Então, era isso: peripatético quer dizer o que ensina caminhando. E nós, ali, encolhidos de vergonha. Bastaria um de nós ter tido a humildade de confessar que desconhecia a palavra que o resto concordaria. E tudo se resolveria com uma simples ida ao dicionário

Mas nós havíamos ignorado a nossa própria regra. Para poder ensinar, antes era preciso aprender. E naquele dia, aprendemos duas coisas. A primeira: o fato de todos estarem de acordo não transforma o falso em verdadeiro. E a segunda: a sabedoria tende a provocar discórdia, mas a ignorância é sempre unânime.

Max Gehringer, para CBN.

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Reconstruindo o mundo


O pai estava tentando ler o jornal, mas o filho pequeno não parava de perturbá-lo. Já cansado com aquilo, arrancou uma folha - que mostrava o mapa do mundo - cortou-a em vários pedaços, e entregou-a ao filho.

“Pronto, aí tem algo para você fazer. Eu acabo de lhe dar um mapa do mundo, e quero ver se você consegue montá-lo exatamente como é”.

Voltou a ler seu jornal, sabendo que aquilo ia manter o menino ocupado pelo resto do dia.

Quinze minutos depois, porém, o garoto voltou com o mapa.

“Sua mãe andou lhe ensinando geografia?”, perguntou o pai, aturdido.  “Nem sei o que é isso”, respondeu o menino. “Acontece que, do outro lado da folha, estava o retrato de um homem. E, uma vez que eu consegui reconstruir o homem, eu também reconstruí o mundo”.


Paulo Coelho

quinta-feira, 14 de março de 2019

Liberdade

primeira condição para o pensamento livre é não aceitar nenhum tipo de absoluto.... Inaceitável é desistir da justiça. E parar de pensar".


(Luis Fernando Verissimo, em sua coluna no Estadão)


terça-feira, 12 de março de 2019

Em política, até raiva é combinada./Ulysses Guimarães