terça-feira, 26 de julho de 2011

AMAR É....

 amare

As tirinhas com o casalzinho pelado e frases apaixonadas foram criadas pela neozelandesa Kim Grove em 1967. Ela começou a fazer os desenhos para seu namorado, o italiano Roberto Casali, com quem se casaria depois.

Os dois se conheceram nos Estados Unidos. Estavam ambos ilegais no país.

Em 1970, o casal conseguiu vender os direitos dos personagens para o jornal Los Angeles Times, que passou a publicar suas histórias periodicamente.
Elas foram veiculadas em mais de 60 países.

Seis anos após a publicação da primeira tirinha de Amar É, Roberto Cavali morreu, vítima de um câncer. O álbum foi relançado três vezes: 1982, 1991 e 2005.

Após a morte de Kim, em 1997, seu filho Stefano Casali assumiu a produção das tirinhas. Mas não é ele o autor dos desenhos. Essa área está sob os cuidados do indiano BiII Asprey. Saiba mais AQUI  ( fonte : Guia dos Curiosos  http://www.guiadoscuriosos.com.br) .

domingo, 24 de julho de 2011

AS MENTIRAS QUE EU ACREDITO.

7613884md

Sílvio Afonso 

Moça, eu adoro a maioria das mentiras. Gosto muito quando dizem que sou alto, bonito e que sem a lembrança do meu sorriso o sol, talvez, não brilhasse do mesmo jeito.

Adoro quando dizem que sou legal. Que sou bonito e o que eu  faço é o melhor
do que já pretenderam.
Mesmo trabalhando como um louco deixo o serviço sorrindo. Chego à casa repleto de esperança e ainda que esteja cansado, credito os lucros na conta de
Deus.

Gosto de dormir ouvindo contos de fada. De lembrar das promessas que o meu pai não teve tempo de cumprir e de acreditar que haverá paz no mundo. Que
a minha mãe é a matriz dos homens e por isso nunca morrerá.

Gosto de acreditar em Deus, de esperar papai Noel na madrugada do Natal e
de falar o que os meus amigos gostariam de ouvir.

Portanto, prenda minha. Enquanto tu disseres que me ama eu acreditarei em ti. Ficaria mais feliz achando que ouvi o bater de asas de um beija-flor, do que
a certeza do roncar dos motores de um bombardeiro.
________
roubado do blog  http://reflexosespelhandoespalhandoamigos.blogspot.com. O moço Sílvio Afonso também tem um blog muito bom :  http://palhacopoeta.blogspot.com/

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Pássaros Solitários

73845338

Autor Desconhecido

Do lado de um imenso muro de pedras voava um pássaro, como sempre sozinho, pensando na sua eterna solidão.Do outro lado do mesmo muro outro pássaro também voava e lamentava o seu interminável isolamento.

Mas do alto de uma nuvem, bem acima de qualquer muro, dois anjos observavam a  cena.  Um dos anjos comentou:
- Veja que maravilha! Que sincronismo de vôo! Isto é o verdadeiro amor.
O outro anjo questionou:
- Será que eles nunca se encontrarão?
O primeiro anjo respondeu:
- É claro que sim. Olhe, lá adiante, o fim do muro. Todo muro tem um fim.


E completou:
- Mas se eles se arriscassem um voar mais alto, acima do muro, poderiam se
encontrar hoje mesmo.

( enviado por Rose Arruda)

segunda-feira, 18 de julho de 2011

ALICE NO PAÍS DA MARAVILHAS

80584900

Anna de Oliveira

O QUE VOCÊ FARIA SE A SUA FILHA DE 7 ANOS ESTIVESSE MUITO AMIGA DE UM ESQUISITÃO DE 31, fazendo com ele demorados passeios de canoa e posando para seus retratos artísticos ?
Em vez de chamar a polícia, como qualquer família normal, a de Alice Pleasance Lidell incentivou seu relacionamento com Charles Dodgson,um escritor que assinava como Lewis Carroll. E a menina acabou sendo a musa inspiradora dos clássicos "Alice no País das Maravilhas" (1865) e "Através do Espelho"(1871) - este inclusive termina com um poema em que as primeiras letras de cada estrofe formam o nome da menina.
Até hoje não é claro o que exatamente estava rolando entre a menina e o escritor.
Especula-se que havia uma paixão, consumada ou não e sempre se acreditou que, quando ele deixou de frequentar a casa dos Liddell, subitamente, em 1863, foi porque os pais de Alice haviam resolvido dar um basta naquele relacionamento inapropriado.
Mas documentos descobertos pela biógrafa Karoline Leach mostram que Caroll talvez fosse tão simpático com Alice e suas irmãs porque estava interessado mesmo era na governanta da casa.
Já adulta, Alice soube usar a fama da personagem a seu favor. Mãe de 3 filhos e apertada de grana após a morte do marido rico, leilou o valioso manuscrito de "As Aventuras de Alice Embaixo da Terra"( primeiro nome de "Alice no País das Maravilhas")
Ela já não mantinha contato com Lewis Carroll. O escritor anotou em seu diário que se lembraria dela prá sempre "como aquela menininha de 7 anos completamente fascinante" ( fonte : revista Super Interessante, edição 279 )
_________

ALICE  LIDDELL
alice liddell
Esta foto foi tirada pelo próprio Lewis Carroll, quando a menina tinha ainda 7 anos. Além de escritor, ele era fotógrafo nas horas vagas.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

A PAZ PERFEITA

Contemplacao_e_Paz

autor desconhecido

Havia um rei que ofereceu um grande prêmio ao artista que fosse capaz de captar numa pintura, a paz perfeita.
Foram muitos os artistas que tentaram.
O rei observou e admirou todas as pinturas, mas houve apenas duas de que ele realmente gostou e teve que escolher entre ambas.
A primeira era um lago muito tranqüilo.
Este lago era um espelho perfeito onde se refletiam umas plácidas montanhas que o rodeavam.
Sobre elas encontrava-se um céu muito azul com tênue nuvens brancas.
Todos os que olharam para esta pintura pensaram que ela refletia a paz perfeita.

howden-calm-reservoir
A segunda pintura também tinha montanhas.
Mas estas eram escabrosas e estavam despidas de vegetação.
Sobre elas havia um céu tempestuoso do qual se precipitava um forte aguaceiro com faíscas e trovões.
Montanha abaixo parecia retumbar uma espumosa torrente de água.
Tudo isto se revelava nada pacífico.
Mas, quando o rei observou mais atentamente, reparou que atrás da cascata havia um arbusto crescendo de uma fenda na rocha.
Neste arbusto encontrava-se um ninho.
Ali, no meio do ruído da violenta camada de água, estava um passarinho placidamente sentado no seu ninho.
Paz perfeita.

mantendo-a-paz-interior-parte-i-2751-1
Qual foi a pintura ganhadora?
O rei escolheu a segunda. Sabe por quê?
O rei explicou:
- Paz não significa estar num lugar sem ruídos, sem problemas, sem trabalho árduo ou sem dor.
Paz significa que, apesar de se estar no meio de tudo isso, permanecemos calmos no nosso coração. Este é o verdadeiro significado da paz.

====================================
Cortesia: Rose de Arruda/Cuiabá-MT/Brasil
====================================
visualizar o perfil de rose: http://www.orkut.com.br/Profile?uid=18066936236589253373&mt=2

sábado, 9 de julho de 2011

BARBARA HELIODORA, A INSPIRADORA DA INCONFIDÊNCIA MINEIRA

240px-Barbara_heliodora_guilhermina

Maria Lúcia Silveira Rangel

Na Inconfidência Mineira temos uma heroína - Maria Dorotéia de Seixas - que se celebrizou como a Marília de Dirceu (Tomaz Antônio Gonzaga). Mas nesse mesmo. movimento pela independência do Brasil destaca-se a figura de Bárbara Heliodora, bastante nomeada e elogiada por vários autores.

Bárbara Heliodora Guilhermina da Silveira (São.João d'EI Rei- 1759) descendente de Amador Bueno, senhora formosa e culta, era esposa do  poeta Inácio José  de Alvarenga Peixoto e tomou parte ativa na conjuração de Minas.

Sobre ela podemos ler na obra "Heroínas do Brasil ", Rio de Janeiro - São Paulo (1.917) do general Carlos Augusto de Campos à página 322, os seguintes parágrafos: "Bárbara Heliodora, idolatrada loucamente por  Alvarenga, tinha sobre ele absoluta e decisiva influência. E no seio da Conjuração, o grande inconfidente nunca apresentou um pensamento, ou idéia que não houvesse sido antes submetida ao juízo da esposa e à sua aprovação. "

Ainda, segundo  o autor Carlos de Campos, Alvarenga Peixoto , temendo a punição tremenda que teria de enfrentar, pensou em delatar seus companheiros, no que foi impedido por Bárbara Heliodora .

Sempre através de Carlos  de Campos, temos, de Alfredo Valadão, em "Campanha da Princesa", o diálogo pungente entre os esposos: " - Que é isto, Alvarenga?"
Orgulhosa, exclama ela, a fulminá-lo com um olhar de fogo! Que horror! Tu, delator! A denúncia, nunca! Caiam sobre nós os castigos, todos, deste crime, de haveres trabalhado pela liberdade de nossa Pátria! Arruine-se a nossa casa, tire-se a nossa vida! Mas não comprometas teus amigos, que contigo lutaram por tão santa causa. Sê homem... Afronta a tirania. Se é preciso, segue com teus companheiros para o martírio!"
E ajoelha-se suplicante:
"- Por Deus, Alvarenga, poupa à tua família a nódoa da delação!"
"- Perdão!"
Diz Alvarenga. E beija as mãos da esposa, como as do anjo da guarda."

Alvarenga Peixoto partiu para o degredo na África em 1.792, após o julgamento que comutava a pena de morte pelo exílio, exceto a de Tiradentes. Diz ainda Alfredo Valladão: "Mas a sentença declarava infame a sua prole". (Página 328).

Bárbara Heliodora, que até então suportara sua desdita com resignação, diante do decreto que vinha manchar sua nobre estirpe, não resistiu à loucura; uma loucura mansa de ausência penetrou-lhe no cérebro. Assim morreu, minada pela tuberculose. ( Maria Lúcia é
Artista-plástica residente em São Paulo /SP; matéria extraída do jornal "O Boêmio", nº 234, ano 18, Matão/SP )
http://www.baraoemfoco.com.br/barao/coluna/barbaraheliodora.htm

sábado, 2 de julho de 2011

O SIGNIFICADO DA BORBOLETA - A IMAGEM DA ALMA

102493485

Coloridas e diurnas, as borboletas prenunciam acontecimentos alegres, ao contrário de suas irmãs mariposas, quase sempre negras e noturnas, que noticiam a infelicidade. No imaginário humano, porém, ambas estão relacionadas à alma.Na cultura greco-romana, assim como na egípcia, acreditava-se que a alma deixava o corpo em forma de borboleta. A palavra psique, em grego, quer dizer ao mesmo tempo espírito e borboleta. Nos afrescos de Pompéia, a psique é representada por uma criança com asas de borboleta.

Para a civilização asteca, ela era o sopro vital que saía pela boca do morto, além de estar associada a uma divindade (Itzpapalotl, cruzamento de uma mulher com uma borboleta). Esse simbolismo está relacionado à sua metamorfose, que, metaforicamente, expressa a saída do túmulo (casulo) para o renascimento. Essa associação de seu ciclo vital – a passagem do mundo dos mortos para o dos vivos-, também é utilizada na cultura oriental.

No Japão, borboletas são espíritos viajantes; o seu surgimento anuncia uma visita ou a morte de um parente. Por outro lado, duas borboletas juntas querem dizer felicidade conjugal. No Vietnã, sua presença exprime longa vida, mas, nesse caso, é devido a uma coincidência fonética: duas palavras com pronúncia semelhante significam “borboleta” e “longevidade”. (roubado do blog da amiga Andréa Nascimento, Eu, Fragmentos http://eufragmentos.blogspot.com)