sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

ESPERE, AGUARDE, RELAXE

501884245 Jacob Moses

Espere. Aguarde. Relaxe. Acalme-se. Deixe que sua mente encontre a serenidade. Se possível, durma.

Quando Einstein não conseguia resolver um problema, ele decidia esperar. Deitava numa rede, levava os filhos para passearem, relaxava. Nem sempre uma solução surge de repente, nem você tem a obrigação de achar respostas para tudo imediatamente, a não ser que seja general do Exército, no meio de uma batalha.

Mas eles são preparados para isto.

Deixe sua cabeça esfriar. Não se preocupe em achar soluções mágicas e instantâneas para os problemas. Se alguém te pressionar a isto, ignore. Vá andar. Não existe nenhum método melhor para ajudar alguém a encontrar a solução para um problema do que uma boa caminhada.

501883745 Depois, deite no sofá, ligue a TV, se possível, durma. Pela manhã, a cabeça está fresca e uma ou mais soluções estarão pipocando na sua mente. Há técnicas ainda mais avançadas de “esvaziamento” cerebral, como a ioga, mas que só devem ser praticada com a orientação de profissionais especializados.

Esporte também é muito bom. Dê uma corrida, vá jogar bola, vá brincar com os filhos no parque, vá nadar na piscina ou na praia. Alguns encontram a serenidade de uma montanha ou a tranqüilidade de um mosteiro. Claro que nem todo mundo tem condições financeiras ou tempo para se afastar deste jeito, até porque pode haver responsabilidades com trabalho ou com a família.

Imagine uma caixa cheia de porcarias. Você precisa colocar coisas boas dentro desta caixa, mas não há espaço.  Precisa esvaziar esta caixa de porcarias primeiro para que as coisas boas tenham espaço. Isto só se consegue dando tempo ao tempo.

Já ouviu a expressão “o tempo cura todos os males”?

501912099 Não vou recomendar que você tome um porre, mas tomar uma cervejinha ou tomar um copo de vinho não vai fazer mal a ninguém. No Japão, é muito comum que executivos, antes de irem embora para casa, passem num sushibar para relaxar. Os sushimen japoneses são preparados para cuidar dos clientes como se fossem médicos.

Já foi num restaurante japonês? Eles nos dão uma toalhinha quente [“oshibori”], que passamos no pescoço e alguns clientes mesmo colocam sobre o rosto. Eles te fornecem quantas toalhinhas quiser.

Na Tailândia, há massagistas em toda parte. Onde você parar para descansar, vem um sujeito para massagear suas costas. Se você trabalha em shopping center, tem a faca e o queijo na mão. Largue tudo e vá fazer uma boa massagem relaxante. ( in: 22 MANEIRAS DE RESOLVER QUALQUER PROBLEMA E VIVER MELHOR  , de Jacob Moses)

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Mina de ouro

http://www.mergulhadonatv.com.br/

Em 7 de fevereiro de 1990, o Jornal do Brasil destacou que Chaves era uma mina de ouro. A Polygram e o SBT lançaram o disco com canções baseadas no programa. O produto foi um grande sucesso de vendas. “A estrela do LP é Marcelo Gastaldi, que há cinco anos aluga sua voz para o endiabrado Chaves”, disse a reportagem de Rogério Durst.

“O disco é o similar nacional de um lançamento mexicano com músicas relacionadas ao programa do Chaves. A diferença é que seis das canções foram vertidas de composições do mexicano Roberto Gómez Bolaños e outras quatro foram compostas aqui no Brasil. Mário Lúcio de Freitas, da empresa independente Marsh Mallow, que produziu o disco para a Polygram, explica: 'Todas as canções originais se referiam ao Chaves e achamos que o público brasileiro gostaria de canções sobre os outros personagens'. Assim, Kiko, Chiquinha e Madruga ganharam suas músicas, todas com letra de Marcelo Gastaldi, convidado por ser um especialista no programa e seus personagens”, explicou o texto.

Reportagem do Jornal do Brasil publicada em fevereiro destacou a 'explosão' de Chaves no Brasil

O JB também assinalou os demais produtos lançados no Brasil com a grife Chaves: “Mesmo em tempos de crise, o mercado infantil brasileiro é uma festa. E o garoto Chaves está se revelando um produto e tanto. Não admira que Roberto Bolaños exija ter seu nome em tudo o que envolva seu personagem, o que inclui as quatro canções brasileiras do disco. Além de música, Chaves também vai virar história em quadrinhos, brinquedos, álbum de figurinhas e desenhos. Mas o gigantismo do despretensioso Chaves periga ir muito além”.

Entre os produtos lançados com sucesso no início dos anos 1990 também estão os gibis de Chaves e Chapolin, pela Editora Globo, o álbum de figurinhas e os óculos do Chaves, que serviam como canudinho para refrigerantes e sucos.

Até Gugu Liberato embarcou na onda de sucesso de Chespirito no Brasil. Além de ir ao México e exibir no Viva a Noite, do SBT, uma entrevista com Bolaños e outros integrantes do programa, em 1989, numa época que tais viagens não eram tão comuns, o apresentador, através de sua produtora, adquiriu os direitos de lançamento no Brasil do filme Charrito, um Herói Mexicano, de 1984. Gugu realizou promoções e divulgações envolvendo o filme em seu programa semanal.

Novos personagens

O grande sucesso de Chespirito no Brasil são as séries Chaves e Chapolin, produzidas nos anos 1970. A partir da década de 1980, os personagens foram incorporados ao programa Chespirito, que também tinha outros quadros e ficou no ar até 1995.

Em duas oportunidades, o público brasileiro pode conferir as outras criações de Bolaños, como o malandro Chompiras (aqui chamado de Chaveco) e o maluco Chaparron Bonaparte (o Pancada), entre outros.

Em 1º de junho de 1997, a CNT/Gazeta, que havia fechado no ano anterior um acordo com a Televisa, do México, para exibição de novelas e programas, passou a exibir Chespirito diariamente.

Já o SBT exibiu a produção como Clube do Chaves, estreando em 2 de julho de 2001, inicialmente com os esquetes em pílulas durante as tardes de sábado e, posteriormente, reunidos num único programa.

Nos dois casos, não houve o mesmo sucesso de Chaves e Chapolin, por inúmeros motivos, como envelhecimento do elenco, as ausências de Carlos Villagran e Ramon Valdez e, principalmente, algumas mudanças na dublagem brasileira, especialmente de Marcelo Gastaldi, que morreu em agosto de 1995. O público não se acostumou com a nova voz de Chaves _e isso perdura até hoje. Dessa forma, as atrações deixaram de ser exibidas.

Descanse em paz, Chespirito. Prometemos nos despedir, mas sem dizer adeus jamais. Pois haveremos de nos reunirmos muitas vezes mais...