sábado, 21 de novembro de 2015

Os Curiosos Horários Que O Corpo Humano Tem

Colaboração: Arménio Nunes

97234891

Cada pessoa tem os seus horários, as suas rotinas e os seus próprios timings. O relógio interno é algo que deve ser respeitado e que tem uma vontade própria, podendo condicionar determinadas situações do dia-a-dia.

Para mostrar os curiosos horários que o corpo humano tem, o Daily Mail revela alguns dados já cientificamente provados.

Por exemplo, a melhor hora para fazer o amor é… às 5:48. Sim, bem cedo. Esta foi a conclusão de um estudo publicado na British Medical Journal, que revela que o amanhecer estimula o hipotálamos que, por seu turno, aumenta os níveis de testosterona, que acabam por ser mais elevados nos homens e nas mulheres logo pela manhã (ou final da madrugada). Mas se o objetivo é engravidar, um estudo da Universidade de Modena diz que é pelas 18:25 que há probabilidade de tal acontecer.
O sexo matinal pode ser, por exemplo, um treino.

E continuando no turno matinal, já os ataques de coração são mais propensos a acontecer pelas 6:53. Segundo os cientistas da Universidade de Harvard, é de manhã – e em especial na última fase do sono – que existe um maior risco de sofrer um ataque de coração.

No que toca a acordar, a hora mais comum de sair da cama é as 7:35 da manhã, pelo menos no Reino Unido, país onde foi realizado um levantamento sobre hábitos de sono.

56810911

E pesar? Deve-se fazê-lo antes ou depois de dormir? Exatamente pelas 7:40, revela uma investigação da Universidade de Brown, nos Estados Unidos. Conta o Daily Mail que este estudo detetou que 61 % das pessoas que se pesam pela manhã conseguem manter um peso saudável durante meio ano.

É também de manhã que as pessoas são mais felizes. Uma investigação da Universidade Cornel, nos Estados Unidos, aponta as 8:00 como a hora do pico de felicidade, uma vez que é por essa hora que são enviadas as mensagens mais felizes e alegres.

Para as mais vaidosas, é as 10:06 que as mulheres se sentem mais bonitas, possivelmente porque já tiveram tempo de tomar o pequeno-almoço, ir ao ginásio e usar maquiagem. Esta hora surgiu após um levantamento com 1.000 mulheres que chegou ainda à conclusão que é pelas 16:05 que se sentem menos bonitas, talvez porque o dia de trabalho já vai longo e o stress e o cansaço fala mais alto.

A morte tem mais probabilidade de chegar também de manhã, pelas 11:00,como indica um estudo da Escola Médica de Harvard, que relaciona o padrão de sono com essa probabilidade em pessoas com mais de 65 anos.

E se os espanhóis gostam de fazer la siesta depois do almoço, o Daily Mail diz que a melhor hora para uma soneca é pelas 12:37. Já a visita ao dentista deve acontecer pelas 14:00 e a casa deve ser limpa pelas 13:13.

Jornalinho: 14 Agosto 2015
Colaboração: Arménio Nunes

ilustra

domingo, 25 de outubro de 2015

MIX - CURIOSIDADES

CÉREBRO

450753537

"Dieta variada,exercícios físicos e uma boa noite de sono melhoram nossa capacidade cognitiva", afirma o neurocirurgião Fernando Gómez- Pirilla, da Universidade da Califórnia. Ele diz que os ácidos graxos ômega 3, encontrados em nozes, óleos vegetais,salmão e outros peixes,são ótimos para o aprendizado e a memória.

Nossas sinapses também gostam de ácido fólico( a vitamina B5, presente em vísceras de animais,verduras, legumes e grãos) e detestam gorduras trans e saturadas. Além disso, técnicas de ioga ajudam no raciocínio porque corrigem a respiração e mantém o suprimento de oxigênio no cérebro.

Pelo mesmo motivo, qualquer caminhada já favorece a cognição.

O psiquiatra americano Edward Hallowell ensina que, quando topar com um teste díficil de resolver,conte até 20, tentando baixar a frequência do pulso e da respiração. Isso é uma boa forma de mandar ao cérebro um sinal de que está tudo ok.

Também não se afobe ao ler um texto longo: a compreensão aumenta quando baixamos a velocidade da leitura. ( fonte: Alexandre Versignassi e Eduardo Szkarazz, "Como Turbinar Seu Cérebro", revista "Super Interessante", setembro de 2008, edição 256)

-

NOSSA SENHORA !

i474480

No livro "Aparecida-A Biografia da Santa que Perdeu a Cabeça,Ficou Negra,Foi Roubada,Cobiçada pelos Políticos e Conquistou o Brasil", do jornalista Rodrigo Alvarez (Globo Livros), são contadas algumas curiosidades sobre a padroeira do Brasil ; como por exemplo:

"No dia 7 de dezembro de 1868,a princesa Isabel e seu marido conde D'Eu,pediram ajuda à Santa para conseguir engravidar. Não se sabe a influência da ajuda divina,mas,após anos infrutíferos,o casal teve três filhos." (fonte: "Aventuras da Santa",revista "Veja São Paulo",17 de setembro de 2014)

-

OS VERDADEIROS MC DONALD'S

mcdonalds_by_1337yo-d34bngo

Os irmãos Dick Mac McDonald criaram o conceito de fast food e abriram sua primeira lanchonete em 1941, na Califórnia. Em 1950,Ray Kroc,que vendia máquinas de milkshake,propôs que eles abrissem franquias pelos EUA.

Em 1958,já eram 34 restaurantes e mais 68 foram abertos até 1959. Mas aí,em 1961,os irmãos resolveram vender sua parte no negócio para Kroc,por US$ 19 milhões. Um belo dinheiro,com certeza.Mas um péssimo negócio.

A rede se transformou numa multinacional gigantesca,com mais de 33 mil lanchonetes espalhadas por 119 países e faturamento de US$ 24 bilhões por ano.

E os irmãos McDonald viram outra pessoa ficar multibilionária explorando a idéia e o nome deles.Mac morreu em 1971 e Dick em 1998.(fonte: Carol D'Essen,"Quase Famosos",revista "Super Interessante", março 2012,edição 302.)

-

domingo, 18 de outubro de 2015

Cada Esquina Esconde um Mistério

mveo4ndbezekjogi6i2m

"Eu não vivo no mundo real. Habito um universo povoado por múmias, vampiros, vampiresas, lobisomens, monstros, seres vindos de regiões abissais ou do além, damas fatais, detetives particulares, mulheres misteriosas. Tenho por companhia quatro gatos e um corvo, com quem converso longamente. Em meu mundo, sempre é noite e as ruas são becos escuros e encobertos por um eterno nevoeiro. Em meu mundo, cada esquina esconde um mistério."

Assim se define Rubens Francisco Lucchetti, 84 anos, escritor brasileiro de tradição pulp com extensa obra de horror e mistério, como "O Fantasma de Tio William", lançado em 1992 pela Coleção Vagalume. São mais de 1.500 livros publicados, 300 HQs, 25 roteiros de cinema --inclusive de "O Segredo da Múmia" (1982), de Ivan Cardoso, pelo qual recebeu um Kikito no Festival de Gramado--, além de incontáveis colaborações para revistas e jornais. (fonte : Guilherme Solari , "Esquecido", autor brasileiro de mais de 1.500 livros renasce no Facebook" , site UOL, ) .

Saiba mais sobre Lucchetti em https://pt.wikipedia.org/wiki/R._F._Lucchetti

Trailer: 'O SEGREDO DA MÚMIA'
https://www.youtube.com/watch?v=_ZCFaYnFoIM

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

MEMÓRIAS ABANDONADAS

472337803

“Era por volta da meia noite, achei um chip antigo meio riscado no fundo da minha gaveta, resolvi testar pra ver se ainda prestava pra alguma coisa, e pra minha surpresa ele funcionava muito bem. Comecei a vasculhar a memória e achei um SMS que tinha ficado salva, e li algo muito curioso, era de 2010, e lá dizia: “Saiba que independentemente de qualquer coisa, eu estarei ai do seu lado te protegendo.” Dois anos se passaram desde então, e a pessoa que me mandou essa mensagem simplesmente sumiu da minha vida. E não era que o maldito chip prestava mesmo? Prestava pra me fazer lembrar que promessas escritas viram memórias abandonadas num piscar de olhos.” (Sean Wilhelm.)

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

MIX

CUBO REFLETOR

cuborefletor1002

Durante a greve geral que parou a Espanha em 2012, entre cartazes, placas, máscaras de gás, gritos de guerra e camisetas com palavras de ordem,um objeto não muito bem identificado, mas extremamente notado, chamou a atenção mundial.

Era um imenso cubo metálico inflável. Lúdico, ele deslizava pelas mãos da multidão e pelo chão, refletindo a luz e impedindo que fotos dos protestantes fossem feitas,

Funcionou também como barreira entre a população e a polícia. O aparato fez tanto sucesso que a mídia mundial logo investigou quem eram os criadores do "cubo refletor".

O cubo foi criado pelo artista Artur Van Balen para o coletivo alemão Ecletic Electrie Collective. ( fonte: Flávia Guerra, " Em Londres, a história da arte de protesto", jornal O Estado de São Paulo,14 de setembro de 2014)

-

EXPLODE CORAÇÃO

bateria-da-escola-de-samba

Em 1993, o Salgueiro ainda não tinha entrado na Sapucaí e a arquibancada já entoava o refrão que viraria clássico : " explode coração na maior felicidade. É lindo o meu Salgueiro contagiando, sacudindo essa cidade".

A interação do público com o samba-enredo foi o ponto alto daquele carnaval e o jejum de 17 anos, foi, enfim, quebrado. Algo há muito tempo não visto.

O contagiante refrão não foi escrito especialmente para "Peguei um ita no norte", enredo inspirado na música de Dorival Caymmi sobre um migrante que deixa Belém rumo ao Rio de Janeiro. O famoso verso é de Demá, que tentou incluí-lo em sambas anteriores.

Se antes não dava liga, em 1993 encaixou perfeitamente ( fonte: Maria Fernanda Rodrigues, "Crônicas de um enredo", jornal O Estado de São Paulo, 14 de fevereiro de 2015)
-

EXPRESSÕES POPULARES : GUARDADO A SETE CHAVES

5916467

No século XIII, os reis de Portugal adotavam um sistema de arquivamento de jóias e documentos importantes: um baú que possuía quatro fechaduras. Cada uma destas chaves era distribuída a um alto funcionário do reino.

Portanto, eram apenas quatro chaves. Mas o número sete passou a ser utilizado em razão de seu valor místico, desde a época das religiões primitivas. Assim, começou-se a utilizar o termo “guardar a sete chaves” para designar algo muito bem guardado.      ( fonte : Curiosidades Sobre Expressões Populares - http://www.vocesabia.net )

domingo, 16 de agosto de 2015

O que o senhor ou a senhora faria nos seus últimos dias ?

132074875

Alain de Bottom

In : Como Proust pode mudar sua vida

Alguém que procurasse um jornal para ler em Paris, na década de 1920, poderia comprar uma publicação chamada L’Intransigeant. Esse periódico era conhecido por notícias investigativas, fofocas metropolitanas, classificados abrangentes e editoriais incisivos.

Também costumava elaborar grandes perguntas e pedir que celebridades francesas enviassem suas respostas.

No verão de 1922, o jornal formulou uma pergunta particularmente complexa para seus colaboradores: “Um cientista americano anuncia que o mundo vai acabar, de maneira tão repentina que a morte será certeira para centenas de milhões de pessoas. Em sua opinião, caso se provasse verdadeira, que efeitos essa previsão causaria sobre as pessoas entre a confirmação da notícia anteriormente mencionada e o momento do cataclismo? Por fim, no que lhe diz respeito, o que o senhor ou a senhora faria nessas últimas horas? “

A primeira celebridade a reagir ao tétrico cenário de aniquilação pessoal e global foi um homem das letras, conhecido naquela época, chamado Henri Bordeaux, sugerindo que as massas iriam diretamente para a igreja ou para o quarto mais próximo.

158635246

Outra celebridade parisiense, uma talentosa atriz chamada Berthe Bovy, não propôs uma recreação para si mesma, mas partilhou com os leitores uma discreta preocupação com a possibilidade de que os homens se desvencilhassem de todas as inibições, uma vez que suas ações deixariam de ter consequências a longo prazo.

Esse prognóstico lúgubre se equiparava àquele de Madame Fraya, famosa quiromante parisiense, que achava que as pessoas estariam ocupadas demais em desfrutar dos prazeres mundanos para pensarem em preparar a alma para a vida após a morte — uma suspeita confirmada quando outro escritor, Henri Robert, declarou alegremente sua intenção de se dedicar a uma última partida de bridge, de tênis e de golfe.

170884395

A última celebridade a ser consultada sobre seus planos pré-apocalipse foi um romancista recluso e bigodudo, que não era conhecido por seu interesse por golfe, tênis ou bridge, um homem que havia passado os últimos catorze anos deitado em uma cama estreita, sob uma pilha de densos cobertores de lã, escrevendo um romance inusitadamente longo, sem um abajur adequado em sua cabeceira.

Desde a publicação de seu primeiro volume, em 1913, “Em busca do tempo perdido” foi aclamado como uma obra-prima; um resenhista francês comparou o autor a Shakespeare, um crítico italiano o equiparou a Stendhal e uma princesa austríaca ofereceu-lhe sua mão em casamento.

Embora não tivesse grande estima por si mesmo e certa vez houvesse se referido a si próprio como uma pulga e à sua literatura como um pedaço de nougat indigesto, Marcel Proust tinha motivos para se sentir satisfeito. Até mesmo o embaixador britânico na França, um homem muito bem-relacionado e cauteloso em seus julgamentos, considerara apropriado conferir-lhe uma grande honra, descrevendo-o como “o homem mais notável que já conheci — pois não tira o sobretudo durante o jantar”.

Entusiasta em relação a colaborações com jornais e sempre afável, Proust enviou a seguinte resposta a L’Intransigeant e a seu catastrófico cientista americano: “Acho que, de repente, a vida nos pareceria maravilhosa se estivéssemos ameaçados de morte como o senhor diz. Pense em quantos projetos, viagens, casos de amor e estudos a vida oculta de nós, tornando-os invisíveis por causa da nossa preguiça, que, certa de um futuro, adia-os incessantemente. Mas, sob a ameaça da impossibilidade eterna, tudo isso voltaria a ser lindo! Ah! Se o cataclismo não acontecer desta vez, não deixemos de visitar as novas galerias do Louvre, de nos jogar aos pés da Srta. X, de fazer uma viagem à Índia. O cataclismo não acontece e deixamos de fazer tudo isso porque voltamos ao âmago da nossa vida normal, no qual a negligência arrefece o desejo. Mas não deveríamos precisar do cataclismo para amar a vida hoje. Seria suficiente pensar que somos humanos e que a morte pode acontecer esta noite.”

165819883

quarta-feira, 29 de julho de 2015

FINAIS DE ANO

168580467

“Finais de ano servem de balanço, de balança. A gente vai e vem, o pensamento viaja, o coração faz retrospectiva, a memória guarda o que foi bom e tenta passar a perna na parte amarga. A gente pesa os lados positivos e negativos, sorrimos ao perceber que fizemos a coisa certa, choramos ao lamentar o que saiu do eixo. O que realmente vale a pena é perceber que fizemos tudo que estava ao nosso alcance. E que um novo ano sempre traz novas formas de viver e ver a vida.”

Clarissa Corrêa

sexta-feira, 24 de julho de 2015

EXPRESSÕES POPULARES

ENTRAR COM O PÉ DIREITO124245038
A tradição de entrar em algum lugar com o pé direito para dar sorte é de origem romana. Nas grandes celebrações dos romanos, os donos das festas acreditavam que, entrando com esse pé, evitariam má sorte na ocasião da festa. A palavra “esquerda”, em latim, é “sinistra”; daí fica evidente a crença no lado azarento dos inocentes pés esquerdos. Foi a partir daí que essa crença se espalhou por todo o mundo.

-

FEITO NAS COXAS

165517149
Esta expressão surgiu na época da colonização brasileira. As telhas usadas nas construções da época, feitas de barro, eram moldadas nas coxas dos escravos. Assim, algumas vezes ficavam largas, outras vezes finas, mas nunca num tamanho uniforme. Foi desta forma que surgiu a expressão, utilizada para indicar algo mal feito.

-

FAZER UMA VAQUINHA

97217633
A expressão “fazer uma vaquinha” surgiu na década de 20 e tem sua origem relacionada com o jogo do bicho e o futebol. Nas décadas de 20 e 30, já que a maioria dos jogadores de futebol não tinha salário, a torcida do time se reunia e arrecadava entre si um prêmio para ser dado aos jogadores. Esses prêmios eram relacionados popularmente com o jogo do bicho. Assim, quando iam arrecadar cinco mil réis, chamavam a bolada de “cachorro”, pois o número cinco representava o cachorro no jogo do bicho. Como o prêmio máximo do jogo do bicho era vinte e cinco mil réis, e isso representava a vaca, surgiu o termo popular “fazer uma vaquinha”, ou seja, tentar reunir o máximo de dinheiro possível para um determinado fim.

( fonte : Curiosidades Sobre Expressões Populares - http://www.vocesabia.net )

quarta-feira, 1 de julho de 2015

segunda-feira, 15 de junho de 2015

A PRIMEIRA TIPOGRAFIA NO BRASIL

05 de Janeiro – Criação da Primeira Tipografia no Brasil

Aprendemos com a nossa História que o ano de 1808 trouxe para o Brasil novos hábitos. Com a vinda de D. João VI e a família Real Portuguesa, houve grande mobilização na colônia para abrigar a corte portuguesa. O Rio de Janeiro, àquela época com um pouco mais de 50 mil habitantes, precisava abrigar os 15 mil que se transferiam e acabou sofrendo uma espécie de “europeização” para tornar-se a capital do império. Uma espécie de revolução cultural aconteceu.

É de 1808 o alvará que pôs em funcionamento o Banco do Brasil – é que a monarquia ia precisar movimentar recursos para a manter. Os portos brasileiros foram abertos, surgiu a Biblioteca Real (futura Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro), foram criadas a Escola de Ciências Artes e Ofícios (futura Escola Nacional de Belas Artes) e a Academia Militar, entre outras novidades.

Até 1808, fábricas eram proibidas na colônia. D. João assinou o alvará permitindo que fábricas pudessem funcionar. Foi então fundada, no Rio de Janeiro, a “Imprensa Régia”. 

Nesse momento a informação começaria a circular, a princípio nas mãos da corte. Logo viria o primeiro jornal, “A Gazeta do Rio de Janeiro”, divulgando toda a informação oficial.

Oficialmente, essa é a data da instalação da primeira tipografia no Brasil: 05 de Janeiro de 1808.

O registro do aparecimento da tipolografia no Brasil é pouco preciso, talvez por causa da proibição que vigorava. A proibição dessa atividade estava ligada à própria repressão da manifestação livre do pensamento, reinante naquela época. Imprimir qualquer texto constituía-se num delito grave. 

O primeiro produto gráfico a circular no Brasil, o Correio Braziliense, era impresso em Londres e entrava clandestinamente no Brasil. Ele circularia até 1822, completando 175 edições.

Registros históricos falam de um opúsculo (uma pequena obra, quase um folheto), intitulado Brasilche Gelt-Sack, que teria sido impresso em Recife , em 1634. E também de alguém de nome Antonio Isidoro da Fonseca, que, em 1746, teria inaugurado uma tipografia no Rio de Janeiro, depois fechada pela Carta Régia  que proibiu a impressão de livros ou de papéis avulsos na colônia. 

Vários autores registram que, mesmo existindo os equipamentos, depois da criação da Imprensa Régia, em 1808, somente o governo tinha autorização para imprimir. A Imprensa Régia começou a funcionar utilizando dois prelos (as prensas, a parte que pressão para imprimir) e 28 caixotes de tipos, apenas para imprimir as publicações reais.

A primeira publicação oficial imprensa, a Gazeta do Rio de Janeiro, falava sobre a vida administrativa e sobre a movimentação do Reino. Era submetida à censura do palácio e dirigida por um funcionário do Ministério das Relações Exteriores, Freio Tibúrcio da Rocha. 

Somente bem mais tarde, particulares obtiveram licença para que suas oficinas gráficas começassem a funcionar, com a criação da Régia Oficina Tipográfica, em 1821. 

A primeira publicação produzida pela iniciativa de circulação no país de que se tem notícia foi A Idade d’Ouro do Brasil, publicada em 1821 pela tipografia de Miguel Antonio da Silva Serva, na Bahia. 

Quando D. João VI deixou o Brasil, em 1821, começou a ser elaborado o documento que traria a liberdade de imprensa, quando um decreto seu acabava com a censura sobre textos originais, mas ela ainda continuava a existir sobre as provas imprensas. 

Foi D. Pedro I quem introduziu no Brasil a liberdade de imprensa, a partir da primeira lei de imprensa portuguesa. Em 28 de agosto de 1821 expressou num aviso: “que não embarace por pretexto algum a impressão que se quiser fazer de qualquer texto escrito”.  ( fonte : http://cdlsertania.wordpress.com ) 

Siga, APESAR Das Críticas...


Abraham Lincoln sabia o que significava enfrentar críticas. Ele é citado pelas palavras que disse: "Se eu me dispusesse a não somente ler, mas a responder a todos os ataques que me são feitos, este escritório estaria fechado para qualquer outra atividade. Eu faço o melhor que sei fazer; e pretendo continuar assim até o fim. Se no final eu tiver me saído bem, o que é dito contra mim não valerá nada. Se no final eu estiver equivocado, mesmo se dez anjos jurassem que eu estava certo, isto não faria qualquer diferença".
     
Lincoln, enfrentando uma forte oposição, conseguiu reunificar os Estados Unidos, ganhou a Guerra Civil e aboliu a escravidão nos EUA. Se tivesse permitido que seus críticos o derrotassem, Lincoln não teria realizado o que fez. ( fonte: Tihtih, Grupos Bons Amigos , https://groups.google.com.)

terça-feira, 2 de junho de 2015

Siga, APESAR das críticas...

Siga, APESAR das críticas...


Abraham Lincoln sabia o que significava enfrentar críticas. Ele é citado pelas palavras que disse: "Se eu me dispusesse a não somente ler, mas a responder a todos os ataques que me são feitos, este escritório estaria fechado para qualquer outra atividade. Eu faço o melhor que sei fazer; e pretendo continuar assim até o fim. Se no final eu tiver me saído bem, o que é dito contra mim não valerá nada. Se no final eu estiver equivocado, mesmo se dez anjos jurassem que eu estava certo, isto não faria qualquer diferença".
     
Lincoln, enfrentando uma forte oposição, conseguiu reunificar os Estados Unidos, ganhou a Guerra Civil e aboliu a escravidão nos EUA. Se tivesse permitido que seus críticos o derrotassem, Lincoln não teria realizado o que fez. ( fonte: Tihtih, Grupos Bons Amigos , https://groups.google.com.)

terça-feira, 19 de maio de 2015

DOM PEDRO I, AMANTE INSACIÁVEL ?

Do "Site de Curiosidades" 
Reza a lenda que, quando Dom Pedro I passava, os nobres portugueses e ricos brasileiros escondiam suas filhas. A fama de amante insaciável do príncipe começou já aos 16 anos de idade.

Na fase adulta, o imperador tinha três grandes paixões: música, cavalos e mulheres, não necessariamente nessa ordem!

A primeira amante de Dom Pedro I foi a bailarina francesa Noémi Thierry, com quem ele teve um filho, que morreu no parto.

Mas a grande paixão da vida do imperador foi Domitila de Castro, a quem o nobre deu o título de Marquesa de Santos, além de quatro filhos.

A fama de Dom Pedro não era por acaso. Ele chegou, até mesmo, a ter um filho com Ana Augusta, uma monja portuguesa.

Além disso, é claro, Dom Pedro I não deixava suas escravas em paz, frequentava bordéis e seduzia moças de familia.

O imperador se casou com D. Leopoldina, e a história dá a entender que a imperatriz morreu de tristeza, por causa das aventuras amorosas do marido.

D. Pedro também teve um caso com a irmã da Marquesa de Santos, a baronesa de Sorocaba Maria Benedita de Castro Canto e Melo, a quem deu um filho.

Como podemos ver, Dom Pedro não foi nenhum santo. Aliás, é importante ressaltar que ele teve, nada menos, que 18 filhos entre legítimos e inlegítimos.  ( Fonte: http://www.sitedecuriosidades.com
/http://fatoscuriososdahistoria.blogspot.com.br

terça-feira, 5 de maio de 2015

Confira quais seriados ditaram moda na televisão americana

2015-05-04-1430746228-846674-SexCityBeyondnameplatenecklacesoversizeflower.jpg
Assim como os seriados são responsáveis por reproduzir o comportamento da sociedade na televisão, os programas também são capazes de influenciar as mulheres na moda, na beleza e nos padrões estéticos.
Veja, abaixo, quais são as atrações que influenciaram as telespectadoras
As Panteras (1976-1981)
2015-05-04-1430746268-7059987-AsPanteras.jpg
A série é precursora no despertar dos desejos femininos. O programa expôs um novo potencial econômico e inaugurou um mercado até então inexplorado na televisão. Os anjos de Charlie - entre eles, a atriz Farrah Fawcett - eram capazes de emplacar qualquer estilo de roupa ou corte de cabelo. Com isso, o universo da moda na televisão tornou-se extremamente rentável.
*
Sex and The City (1998-2004)
2015-05-04-1430746306-7433180-SexandtheCity.jpg
É considerada a maior série fashion do mundo. As roupas e acessórios eram fundamentais para compor as cenas e os diferentes estilos e comportamentos das protagonistas - Carrie Bradshaw (Sarah Jessica Parker), Miranda Hobbes, Samantha Jones e Charlotte York. A responsável pelo figurino da atração foi Patricia Field. Em cada episódio eram escolhidos em média dez modelos diferentes para cada troca de roupa das personagens.
*
Gossip Girl (2007-2012)
2015-05-04-1430746346-7731258-GossipGirl.jpg
Para contar a história das jovens mais ricas e populares de Nova York, foi preciso compor um figurino impecável. Eric Daman, pupilo de Patricia Field em Sex and The City, conseguiu transformar Serena Van Der Woodsen (Blake Lively) e Blair Waldorf (Leighton Meester) em duas jovens que ditaram moda para suas telespectadoras. Ambas protagonistas possuíam estilos completamente diferentes. Serena oscilava entre vestidos extravagantes e brilhosos e figurinos mais básicos com acessórios marcantes. Blair, por sua vez, possuía uma preferência mais clássica inspirada na atriz Audrey Hepburn. Não podemos deixar de mencionar os ternos de alta costura do bad boy Chuck Bass, que agregaram mais luxo na moda masculina.
*
The O.C (2003-2007)
2015-05-04-1430746392-8891218-TheO.C.jpg
Os jovens aderiram completamente as tendências californianas expostas no programa. Os vestidos e saias curtas de Marissa Cooper (Mischa Barton) e os looks coloridos de Summer Roberts (Rachel Bilson ) inspiraram os adolescentes do início dos anos 2000. Ao longo dos episódios, as protagonistas foram assumindo mais sofisticação e também exibiram lindos vestidos em festas da alta sociedade de Orange County.
*
Pretty Little Liars (2010-)
2015-05-04-1430746430-5906619-PrettyLittleLiars.jpg
Apesar de Hannah Marin (Ashley Benson) ser a protagonista mais antenada nas tendências da moda, Aria Montgomery (Lucy Hale) é a personagem que tem os looks mais copiados pelas telespectadoras americanas. Ela foi responsável por popularizar blusas com listras brancas e pretas, calças skinny, roupas de couro, brincos grandes e colares chamativos. Mesmo assim, cada uma possui um figurino peculiar: Spencer Hastings (Troian Bellisario) é clássica e veste muitas camisas de alfaiataria e Emily Fields (Shay Mitchell) adora roupas mais esportivas, jaquetas de couro e botas.

sábado, 2 de maio de 2015

Amor proibido é mais gostoso?

Rosana Braga 

Diz o ditado que tudo o que é proibido é mais gostoso e não há como negar que existe alguma verdade nisso. Diferenças à parte, a maioria das pessoas tende mesmo a se empenhar para conquistar algo ou alguém que apresente algum mistério ou boa dose de dificuldade.

O que se busca, acima de tudo, é a adrenalina que o proibido provoca. Ainda mais quando se trata da possibilidade de viver um amor... proibido. E proibido por quê? Existem várias razões para o uso deste rótulo, mas no final das contas, penso que a razão é o que menos importa.

Diferença de idade, classe social ou raça... ou ainda o encontro entre pessoas comprometidas, a questão é uma só: por que algumas pessoas parecem viciadas em viver amores proibidos? Até dizem que não querem, mas que acontece - como se nada pudessem fazer para evitar. Ou seja, tem algo neste encontro que deve mesmo ser viciante.

Aposto que, na maioria das vezes, não se trata de querer ferir alguém, mas de desejar, de modo visceral e até insano, viver intensamente. Tudo o que muitas pessoas desejam, talvez até sem se dar conta, é viver uma paixão avassaladora. É se jogar de corpo e alma numa situação em que pouco importa se o mundo está prestes a desabar, porque a sensação é de que apenas um instante pode fazer todo o resto valer a pena!

E para algumas pessoas em especial, esse ritmo alucinante de viver às escondidas, de ter de inventar um mundo paralelo, de ter que se superar e encontrar as mais inusitadas formas de satisfazer esse desejo torna-se sua razão de existir. Como se qualquer loucura pudesse ser justificada e perdoada.

Entretanto, na vida real o final dessa história nem sempre é feliz. Aliás, muitas delas se transformam em dor e lágrimas e, em alguns casos, terminam até em tragédia. Por isso, se você é viciado em amores proibidos, como se vivesse numa gangorra de emoções, ora incrivelmente feliz, ora absurdamente dilacerado, talvez seja momento de rever as fórmulas que você usa para colorir, encantar e dar sentido à sua história.

É possível viver paixões saudáveis. É possível buscar intensidade e adrenalina em outras fontes menos perigosas e mais compensadoras. É possível, sobretudo, amar apaixonadamente alguém que não seja proibido. Como? Aprendendo que paixão precisa ter prazo de validade, justamente porque é viciante. E tudo o que é vício engana o livre-arbítrio, tornando-nos reféns e escravos da situação.

Descumprir regras pode ser muito saudável quando elas são limitantes e sem propósito, mas viver em função de transgredir pode ser sinônimo de imaturidade e medo de crescer. Medo de arriscar, dar certo e não saber o que fazer com as exigências de um amor de verdade. Lembre-se de que uma fogueira pode aquecer e acolher, mas um incêndio devasta e destrói tudo o que vem pela frente.

Dois exemplos de amores proibidos vividos no cinema, mas com condutas completamente diferentes, são os filmes 'Perdas e Danos' e 'As Pontes de Madison'. Diante do desejo que inunda o corpo e alma dos personagens centrais, cada qual faz sua escolha baseando-se, acima de tudo, na capacidade de enxergar além do óbvio. Que você possa, diante de um amor proibido, conectar-se com sua essência para dar um sentido não cinematográfico, mas sagrado à sua história.



terça-feira, 21 de abril de 2015

ORIGEM DOS NOMES DOS ESTADOS DO BRASIL


Acre: vem de áquiri, touca de penas usada pelos índios munducurus

Alagoas: o nome é derivado dos numerosos lagos e rios que caracterizam o litoral alagoano.

Amazonas: nome de mulheres guerreiras que teriam sido vistas pelo espanhol Orellana ao desbravar o rio. Para Lokotsch, vem de amasuru, que significa águias retumbantes.

Bahia: o nome foi dado pelos descobridores em função de sua grande enseada.

Ceará: vem de siará, canto da jandaia, uma espécie de papagaio.

Espírito Santo: denominação dada pelo donatário Vasco Fernandes Coutinho que ali desembarcou em 1535, num domingo dedicado ao Espírito Santo

Goiás: do tupi, gwa ya, nome dos índios guaiás, gente semelhante, igual.

Maranhão: Do tupi, mba'ra, mar, e nã, corrente, rio que semelha o mar, primeiro nome dado ao rio Amazonas.

Mato Grosso: o nome designa uma região com margens cobertas de espessas florestas, segundo antigos documentos.

Minas Gerais: o nome deve-se às muitas minas de ouro espalhadas por quase todo o estado.



Pará: do tupi, pa'ra, que significa mar, designação do braço direito do Amazonas, engrossado pelas águas do Tocantins.

Paraíba: do tupi, pa'ra, rio, e a'iba, ruim, impraticável.

Paraná: do guarani pa'ra, mar, e nã, semelhante, rio grande, semelhante ao mar.

Pernambuco: do tupi, para'nã, rio caudaloso, e pu'ka, gerúndio de pug., rebentar, estourar. Relativo ao furo ou entrada formado pela junção dos rios Beberibe e Capibaribe.

Piauí: do tupi, pi'au, piau, nome genérico de vários peixes
nordestinos. Piauí é o rio dos piaus.

Rio de Janeiro: o nome deve-se a um equívoco: Martim Afonso de Souza descobriu a enseada a 1º de janeiro de 1532 e a confundiu com um grande rio.

Rio Grande do Norte: derivado do rio Potengi, em oposição a algum rio pequeno, próximo, ou ao estado do Sul.

Rio Grande do Sul: vem do canal que liga a lagoa dos Patos ao oceano.

Rondônia: o nome do estado é uma homenagem ao marechal Rondon.

Santa Catarina: nome dado por Francisco Dias Velho a uma igreja construída no local sob a invocação daquela santa.

São Paulo: denominação da igreja construída ali, pelos jesuítas, em 1554 e inaugurada a 25 de janeiro, dia da conversão do santo.

Sergipe: do tupi, si'ri ü pe, no rio dos siris, primitivo nome do rio junto à barra da capitania.

Tocantins: nome de tribo indígena que habitou as margens do rio. É palavra tupi que significa bico de tucano. ( fonte : Leandro Rocha )

sexta-feira, 17 de abril de 2015

MIX

ARMAS DE FOGO 

As primeiras delas, ainda improvisadas, provavelmente surgiram na China logo após a invenção da pólvora, no século IX. Em tubos de bambu, essa mistura de salitre, enxofre e carvão vegetal que explode em contato com o fogo era usada para atirar pedras. 

Os árabes aperfeiçoaram o invento no século XIII, quando os canhões passaram a ser feitos de madeira e reforçados com cintas de ferro. Mas a contribuição decisiva veio no século XIV, quando surgiram os primeiros canhões de bronze, mais seguros. "O canhão abre caminho para a evolução tanto do armamento pesado quanto do individual", diz o historiador João Fábio Bertonha, da Universidade Estadual de Maringá, Paraná. 

As primeiras armas de fogo portáteis aparecem no século XV. "É uma verdadeira revolução: os soldados ganham outra importância e as táticas de guerra mudam completamente", afirma João Fábio. A primeira arma individual amplamente usada em batalhas é o mosquete, criado no século XVI. Mas a invenção é lenta e tem péssima pontaria. ( fonte : "Curiosidades sobre armas de fogo ", http://gcmdeguarulhos.blogspot.com.br/) 

-

REMÉDIO PARA SAUDADE 


A saudade é uma dor causada pela solidão. Etimologicamente, "saudade" remete à soledade de quem viu seu amor partir — e "partir" pode ser ir embora ou quebrar-se...

Para saudade, algum remédio literário? Há uma quadra popular que talvez ajude. Leia duas vezes ao dia até decorar (isto é, até que se torne linguagem do coração, par coeur, by heart):

Saudade, ainda que doa. Tu és nesta vida fugaz. 
A única coisa boa. De todas as coisas más 
(Fonte: Gabriel Perissé, http://terapia-livros.blogspot.com.br/) 

-

TRÊS BATIDINHAS 
As três batidinhas na porta provavelmente vêm da superstição de bater três vezes na madeira para afastar o azar. Nenhuma delas tem uma origem exata para os pesquisadores, mas vamos lá: gregos acreditavam que tocar em carvalhos  trazia boa sorte, afinal era a árvore sagrada de Zeus, o mais sinistro dos deuses.

Já os cristãos da Idade Média batiam na madeira, material da cruz de Cristo, para afastar maus espíritos. Assim como os celtas que, por sua vez, batiam em troncos de árvores. 

“Por similaridade, se os espíritos se afastam dos três toques na madeira, ao bater três vezes na porta de madeira o visitante anunciava indiretamente que não era um espírito mau”, esclarece o especialista em linguagem corporal Paulo Sérgio de Camargo. ( Fonte: Revista Super Interessante, edição on line ) 

terça-feira, 31 de março de 2015

MIX - Curiosidades Em Pequenas Doses

BAIRROS DO RIO DE JANEIRO 








Andaraí 
Seu nome provém da expressão indígena “Andirá-y Açu”, que significa “Rio Grande dos Morcegos”, na linguagem dos índios tamoios que habitavam a região. O “Rio dos Morcegos” hoje é denominado Rio Joana, que atravessa o bairro, dividindo as duas pistas da Rua Maxwell.

Outra versão diz que vem do Pico do Andaraí, cuja tradução do tupi para o português seria “empinado para cima” ( fonte : Nome dos Bairros do Rio de Janeiro, Márcio de Castro, ww.marciodecastro.com.br ) 

-

COLETIVO DE GATOS









Assim como você pode dizer matilha de lobos ou manada de elefantes, o coletivo de gatos é CAMBADA! Sim, da próxima vez que você cruzar com um grupo igual o da foto aí poderá dizer que passou por uma cambada de gatos! 

Também pode ser usado gatarrada e gataria mas, vamos e convenhamos, cambada é bem mais legal, e tem muito mais a ver com esses figurinhas! ( Extraído de https://groups.google.com/ ) 

 -

TRÊS MANEIRAS DE DIZER "EU TE AMO" 









Sabia que no japão existem três maneiras de dizer “Eu te amo”? Você diz Daisuki para seus amigos e ficantes, diz Aishiteru para um namoro mais sério e Koishiteru para a pessoa com que você quer passar o resto da sua vida. E eles seguem isso à risca. Isso é uma das coisas que eu admiro neles. Eles não banalizaram o “Eu te amo” como nós fizemos.  ( fonte http://isa-livros.tumblr.com/) 
-

sábado, 28 de março de 2015

DECAMERON

Decameronnota (Decamerão ou Decameron: ou Príncipe Galeotto (título no Brasil) ou Decameron(título em Portugal)

(vocábulo com origem no grego antigo: deca, "dez", hemeron, "dias", "jornadas") é uma coleção de cem novelas escritas por Giovanni Boccaccio entre 1348 e 1353.

A obra é considerada um marco literário na ruptura entre a moral medieval, em que se valorizava o amor espiritual, e o início do realismo, iniciando o registro dos valores terrenos, que veio redundar no humanismo; nele não mais o divino, mas a natureza, dita o móvel da conduta do homem. Foi escrito em dialeto toscano.

Com subtítulo de Príncipe Galeotto, o Decamerão marca com certa nitidez o período de transição vivido na Europa com o fim da Idade Média, após o advento da Peste Negra — aliás é neste período de terror que a narrativa se passa.

Dez jovens (sete moças e três rapazes) fogem das cidades tomadas pela pandemia que dizimava impiedosamente o continente europeu ao se recolherem a uma casa de campo. Aconselhados por Pampinéia, a mais velha entre as mulheres, estabaleceram que escolheriam um chefe para o grupo para cada dia. Sendo ela a primeira escolhida. 

O Decamerão, rompendo com a mítica literatura medieval, é considerado o primeiro livro realista da literatura.

As circunstâncias descritas em Decamerão têm o senso medieval de numerologia e significados místicos. Por exemplo, é amplamente acreditado que as sete moças representam as Quatro Virtudes Cardinais (Prudência, Justiça, Fortaleza, Temperança) e as Três Virtudes Teologais (Fé, Esperança e Caridade). E mais além é suposto que os três homens representam a Divisão da Alma em Três Partes (Razão, Ira e Luxúria) da tradição helênica.

As moças tinham idade entre 18 e 28 anos, eram bonitas e de origem nobre, e seu comportamento honesto. Agrupadas por acaso na igreja de Santa Maria Novela, resolvem continuar juntas e logo surgem três moços, com idade a partir dos 25 anos, agradáveis e bem educados, que procuravam suas amadas, que eram 3 das moças ali reunidas.
( fonte: http://pt.wikipedia.org - L&PM Editores/ )

terça-feira, 10 de março de 2015

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Deveríamos Ir Embora Enquanto Tudo é Bonito

Sean Wilhelm.

Deveríamos ir embora enquanto tudo é bonito. Enquanto ainda somos alegria. E deixar na mente aquilo que ilumina, aconchega, não deveríamos sempre desistir nos momentos ruins. Não devíamos esperar as lágrimas, o desespero, a solidão. Deveríamos aprender a dizer adeus pras coisas perfeitas, porque uma hora o sol se põe e a tempestade chega, e nós ficamos observando as gotas da chuva sentindo uma sede insaciável. Esperando alguém voltar. Mas o telefone nunca toca. Ninguém chega. Deveríamos aprender a abandonar algumas coisas, sem esquecer o lado bom de tudo. Assim ficaríamos inteiros, mas não, a gente insiste só pra ver quem irá ficar. E ninguém fica. Ainda não aprendemos a nos despedir dos paraísos, e isso é um erro absurdo. Muitos não passam de miragens.”

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Psicologia

165925401 Autor Desconhecido

E foi que Flaviano se encantou pela sua assistente no serviço de radiologia. Um tipo mignon, mas de olhos mongóis, cintura fina e ancas largas, discreta de gestos, mas de andar ondulante, como se soubesse que seus encantos residiam no balanço das nádegas. Começaram um caso. Honesto, Flaviano resolveu ser ético. Chegou em casa e foi direto: - Wilma, aconteceu. Não vou esconder. Estou tendo um caso com minha assistente.

Wilma não se abalou. Por dentro, estava uma brasa. Mas gelo por fora. Pensou um pouco antes de responder.
- Olha aqui, Flaviano, se você pensa que eu vou desistir de você está enganado,esquece. Estou na minha casa. Nos meus cômodos. Se você tá afim de outra mulher, tudo bem. Te faço uma proposta: você fica com ela e eu vou ser sua amante.

Flaviano tremeu nas bases.
- Como assim?
- Assim, nada. Você fica com ela. E eu sou a amante. Invertemos os papéis. Simples. Pega suas coisas e se manda. Estou te esperando na cama quando você quiser.

Confuso, Flaviano topou. E passou a namorar a assitente e dormir com as duas. Mas não tinha casa. A namorada era uma menina que vivia com os pais. Passou a ser inquilino de motel. Com duas semanas, começou a perceber que não era tão fácil assim. Falou com a amante:
- Não dá pra lavar a minha roupa aqui em casa, não ?
Wilma foi taxativa.
- Sou amante. Meu compromisso é sexo. Que casa?
- E almoço? Não aguento mais comida a quilo.
- Problema seu. Almoça no Hospital. Foi lá que você arrumou namorada, não foi? Aqui estou te esperando na cama. É só.

170078481 No fim do primeiro mês Flaviano pesou os prós e os contras. E chegou à conclusão de que os contra ganhavam. Despachou a assistente e voltou para casa. Chegou com mala e cuia. Wilma atendeu.
- Mulher ou amante?
- Mulher, Wilma.
- Pode entrar. A água está quente. Tome um banho que vou pôr o jantar na mesa.

Vão fazer quinze anos de casados na semana que vem. Uma festa. Wilma pediu que Flaviano convidasse sua assistente para a comemoração. Ela vai. Com o marido.